Amor e história: ingredientes essenciais do clássico Casablanca


PLAY IT AGAIN, SAM... “You must remember this”...

Quem não se lembra dessa linda melodia, tema do clássico em P&B da Warner Brothers, Casablanca?
O filme, de 1943, consagrou Ingrid Bergman e Humprey Bogart definitivamente, mas inseriu o filme como narrativa histórica (e romântica, evidentemente) dentre as películas imperdíveis a todo cinéfilo que se preze.

Caro seguidor, leia, na sequência ,mais um post da parceria entre o Claquete e os Gigantes do Rock.

Luz, câmera... PAIXÃO!

 
Uma história que poderia ter realmente acontecido no momento da II Guerra Mundial...
 O triunfo da máquina de guerra alemã, de 1939 até 1941 foi assustador, a Europa estava de joelhos. A Inglaterra bombardeada, a França ocupada, a presença alemã no norte da África estava transformando a guerra europeia em uma legítima guerra mundial. O acesso ao Mediterrâneo pelo estreito de Gibraltar era disputadíssimo pela marinha britânica e pelos submarinos alemães. Duas cidades da região, no início dos anos 40, fervilhavam de agentes secretos dos dois lados, Casablanca, no Marrocos e Lisboa, em Portugal.

Aí está a grande sacada dos estúdios Warner, do diretor Michael Curtiz e dos serviços de inteligência Aliados ao conceberem o filme CASABLANCA. A prova disso é que o lançamento do filme que aconteceria em 1943, foi antecipado para 1942.

Em um clima "dark" e surrealista, o diretor transfere o espectador para um clube noturno em Casablanca, cujo proprietário é um aventureiro norte-americano (e, curiosamente nesse momento, os Estados Unidos entram na guerra) que convive com agentes secretos nazistas, franceses e britânicos.

O Marrocos, na época, era um protetorado francês e o roteirista do filme, habilmente, usou um clima de intriga e disputa entre os serviços secretos francês, inglês e alemão para, praticamente dentro do clube noturno, transcorrer a mágica história do filme Casablanca.

Em atuação magistral, o "feio", porém charmosíssimo Humphrey Bogart e a linda Ingrid Bergmann formam o par romântico do filme em uma conturbada relação com um final emocionante.

O tema, um show à parte - O tempero ideal para essa trama foi criado pelo arranjador Max Steiner, que de maneira muito simples coloca a voz de Dooley Wilson e seu piano em uma interpretação magistral para cantar uma das maiores músicas da história do cinema, a maravilhosa "As time goes by".

Indicada para o Oscar de 1944, a música erdeu a estatueta de melhor trilha sonora para o filme "A Canção de Bernadette". Mas não mudou em nada. Essa música  é considerada uma obra-prima do cinema mundial, gravada e regravada, até hoje, pelas maiores vozes do cenário musical.

A frase "Play it again, Sam..." ficou marcada para sempre.


Cena do filme onde Ilsa (Ingrid Bergmann) pede para Sam (Dooley Wilson) tocar e cantar "As Time Goes By" em nome dos velhos tempos.



Amigo seguidor... para curtir mais do Gigantes do Rock acesse o Facebook (facebook/gigantesdorock), o Blog www.gigantesdorock.blogspot.com ou entre em contato pelo gigantesdorock@hotmail.com.


1 Response to "Amor e história: ingredientes essenciais do clássico Casablanca"

  1. António Jesus Batalha says:
    24 de dezembro de 2013 04:18

    Cheguei ao seu blog e fiquei entusiasmado, pois foi feito com muita graça, e com muito entusiasmo.
    Gostei do que vi e li, e achei um blog fantástico, onde se aprende muito.
    Sou António Batalha, do blog Peregrino E Servo, se me der a honra de o visitar ficarei grato.
    PS. Se desejar faça parte dos meus amigos virtuais,decerto que irei retribuir,
    seguindo e divulgando seu blog.
    Desejo-lhe muita saúde muita paz e grande felicidade, e também um Feliz-Natal.

Postar um comentário